quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Filmes do Ano

Não vi todos os que queria (como The Ides of March, La Piel Que Habito, Sangue do Meu Sangue, Melancholia ou Shame) e não vi outros que dizem que são bons mas que não me interessaram muito (como o último Harry Potter, o Tintin, o remake do The Girl with the Dragon Tatoo ou Moneyball) mas este é o meu Top 25 de 2011, salvo alguma obra maior que tenha esquecido e não incluindo documentários, apenas ficção.

1º - The Tree of Life
2º - Jodaeiye Nader az Simin (A Separation)
3º - The Help
4º - Midnight In Paris
5º - X-Men:First Class
6º - Drive
7º - 50/50
8º - Rise of the Planet of the Apes
9º - Warrior
10º - Crazy Stupid Love
11º - Thor
12º - Rango
13º - Attack The Block
14º - Super 8
15º - The Hangover II
16º - Submarine
17º - Limitless
18º - The Inbetweeners Movie
19º - Source Code
20º - Bridesmaids
21º - Restless
22º - Horrible Bosses
23º - Adjustment Bureau
24º - Contagion
25º - Hanna

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Fachada Ípsilon

B Fachada será tema de capa do próximo número do Ípsilon, suplemento cultural do Público de 6ªfeira. É de longe o meu artista português favorito da sua/minha geração e acho que merece todo o reconhecimento que vem tendo. Ainda não acabei de ler o Ípsilon da semana passada sobre os melhores do ano, onde também está o Fachada em destaque, mas até 6ª terei já o caminho aberto para esta leitura.
Entretanto, hoje ele estará na Radar das 18h às 19h para com o Dr. Ramos apresentar alguns dos seus discos favoritos e amanhã toca no CCB.

B Fachada - "Não Pratico Habilidades" (2011)


segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Discos do Ano

Eis que chegada aquela altura do ano em que se fazem balanços e listas, e tal como em outros anos também este blogue se presta à elaboração de um top dos melhores discos de 2011.
Não foi um mau ano, longe disso. Houve grandes regressos e confirmações e umas quantas boas surpresas. Não consegui ouvir tudo, nem pouco mais ou menos, mas do que ouvi estes são os 20 melhores. Seguem as capas, em contagem decrescente, e no fim a respectiva lista. 





1º Tom Waits - Bad As Me
2º Bon Iver - Bon Iver
3º Black Lips - Arabia Mountain
4º Iron & Wine - Kiss Each Other Clean
5º St. Vincent - Strange Mercy
6º Foo Fighters - Wasting Light
7º Fucked Up - David Comes To Life
8º You Can't Win, Charlie Brown - Chromatic
9º Feist - Metals
10º Sérgio Godinho - Mútuo Consentimento
11º Fleet Foxes - Helplessness Blues
12º B Fachada - B Fachada
13º PJ Harvey - Let England Shake
14º Girls - Father, Son, Holy Ghost
15º Eddie Vedder - Ukulele Songs
16º The Black Keys - El Camino
17º Coldplay - Mylo Xyloto
18º Beastie Boys - Hot Sauce Commitee Part Two
19º Radiohead - The King Of Limbs
20º The Strokes - Angles


sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Wanna go for a riiiiiiiiiiiiiiiiiide?

Se há alguém que em 2011 se pode vestir à 90's com long sleeve shirt preta e umas calças pelo meio da canela com umas meias às riscas a tapar a perna entre a calça e as clássicas doc martens esse alguém é Billy Corgan. 
Olhar para ele ontem foi um daqueles dejà-vus com tele-transporte incluído até meados dos anos 90, por altura ali do meu 9ºano.
Os Smashing Pumpkins de 2011 são uns gajos competentes, guitarrista e baixista razoáveis, baterista um pouco melhor e um Billy Corgan com a voz de sempre mas feito um guitarrista virtuoso do caraças. O poder da guitarra eléctrica com o pedal de distorção sempre em baixo ainda pode mudar uma vida, e ontem esse sentimento voltou a pairar no Campo Pequeno. Quanto ao concerto, nunca foi mau mas a demasia de canções desconhecidas não abonou em favor da banda. Aceito de bom grado que Corgan não queira andar a viver das glórias passadas e que mostre as novas músicas, provando que ainda pode ser relevante. Mas a verdade é que a sala só se exaltou nos momentos em que recuperou canções da velha guarda, "Geek U.S.A" ou "Siva", e principalmente na parte final, completamente avassaladora, "Cherub Rock", Tonight, Tonight" e "Today", "Zero" (o meu momento da noite, claramente" e "Bullet With Butterfly Wings" já no encore. 
Billy Corgan foi o mentor de uma das melhores bandas rock dos últimos 25 anos e ainda é um vocalista e guitarrista de valor. Agora temo que será sempre reconhecido pelo seu trabalho pré-2001, por muitos discos e membros que meta nestes novos SP. 
Mas valeu completamente a pena. Ficam aqui umas fotos e um vídeozinho, tudo muito ruim, pois os 32Mb da memória interna da máquina não permitem grandes formatos. O sd card ficou em casa...
 

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Smashing Pumpkins


Entre estes dois concertos de Smashing Pumpkins passaram-se 11 anos. No dia 4 de Outubro de 2000, os Smashing Pumpkins chegavam a Lisboa para dar aquele que seria supostamente o seu último concerto em Portugal, anunciado que tinha sido já o fim da banda, aparentemente devido à ruptura há muito iminente entre Corgan e os restantes membros, devido ao estilo ditatorial e arrogante do líder da banda.

D'arcy Wretzky já não participou nesta tour, tendo sido substituída pela baixista de Hole, Melissa Auf Der Maur. Foi um grande concerto de quase 3 horas com um grande desfilar de sucessos de uma das forças supremas do rock dos anos 90, ao qual só faltou "Zero", apesar da muita insistência das dezenas de milhares presentes no estádio do grande Clube de Futebol "Os Belenenses". 

Mas, surprise: Afinal, a banda não acabou. Billy Corgan gravou uns discos a solo e tal, e em meados da década recrutou uns músicos e voltou a gravar e a dar concertos sob o nome de Smashing Pumpkins. Nunca mais ouvi nada deles e apesar de terem vindo cá em 2007 ao Alive, não me deu grande vontade de os rever. Mas hoje, muito por saudosismo admito, vou ao Campo Pequeno assistir a esta nova versão de SP 11 anos depois, com Corgan e mais uma rapaziada sem nome, na simples iminência de recordar pouco mais de meia dúzia de clássicos e voltar para casa relativamente satisfeito com as canções e as memórias. Por causa disso é que comprei os bilhetes mais baratos para a 2ª galeria, que mesmo assim só custaram mais 2,5€ que o bilhete de relva para o Restelo há mais de uma década. Hoje têm de tocar esta, carai!

Smashing Pumpkins - "Zero" (1995)

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Leituras

Todos ou só alguns, as minhas leituras para 2012 deverão passar por aqui. Tenho mais uns quantos na minha wishlist da Amazon e pendentes no cesto de compras do site da FNAC, só para não me esquecer e para ir acompanhando as oscilações de preço, as recomendações e possíveis promoções. 







Entretanto comprei "Terra Sonâmbula" de Mia Couto e "Os Cus de Judas" de António Lobo Antunes, da colecção de livros de bolso BIS da Leya, que incluem inúmeros clássicos da literatura lusófona e mundial ao preço convidativo de 5,95€. Vai ser a 2ª obra que vou ler de ambos os autores. No caso do moçambicano, simplesmente porque adorei "Jesusalém", que comprei por acaso numa feira do livro. Este "Terra Sonâmbula", de 1992, foi a sua estreia nos romances e é hoje um marco na sua carreira e em toda a literatura de língua portuguesa, tendo sido considerado um dos dez melhores livros africanos do séc. XX. Sei que não vai desiludir.
Para Lobo Antunes é uma segunda oportunidade, depois de "O Manual dos Inquisidores" não me ter caído muito bem no goto. "Os Cus de Judas", 2ª obra do autor editada em 1979, é dos titulos mais marcantes na sua obra e é a minha maneira de oferecer redenção aquele que é considerado quase unanimemente como o único escritor português a poder vir algum dia a trazer de volta um Nobel. Este o meu pai diz que é mesmo bom.

Não sei qual deles se seguirá ao "Freedom" do Jonathan Franzen, que não está a ir ao ritmo pretendido e que dificilmente terminarei antes do Natal, fim do ano. Ou se será sequer alguns destes dois e não um qualquer outro.

E sugestões por aí, há?
Boas leituras.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Orgulho. Sempre.


12 Extremely Disappointing Facts About Popular Music


  • Retirado daqui

    É triste mas verdade.

    Não sei é qual delas a mais triste. 





    1. Creed has sold more records in the US than Jimi Hendrix

    Creed has sold more records in the US than Jimi Hendrix
  • 2. Led Zeppelin, REM, and Depeche Mode have never had a number one single, Rihanna has 10

    Led Zeppelin, REM, and Depeche Mode have never had a number one single, Rihanna has 10
  • 3. Ke$ha's “Tik-Tok” sold more copies than ANY Beatles single

    Ke$ha's “Tik-Tok” sold more copies than ANY Beatles single
  • 4. Flo Rida's “Low” has sold 8 million copies – the same as The Beatles' “Hey Jude”

    Flo Rida's “Low” has sold 8 million copies – the same as The Beatles' “Hey Jude”
  • 5. The Black Eyed Peas' “I Gotta Feeling” is more popular than any Elvis or Simon & Garfunkel song

    The Black Eyed Peas' “I Gotta Feeling” is more popular than any Elvis or Simon & Garfunkel song
  • 6. Celine Dion's “Falling Into You” sold more copies than any Queen, Nirvana, or Bruce Springsteen record

    Celine Dion's “Falling Into You” sold more copies than any Queen, Nirvana, or Bruce Springsteen record
  • 7. Same with Shania Twain's “Come On Over”

    Same with Shania Twain's “Come On Over”
  • 8. Katy Perry holds the same record as Michael Jackson for most number one singles from an album

    Katy Perry holds the same record as Michael Jackson for most number one singles from an album
  • 9. Barbra Streisand has sold more records (140 million) than Pearl Jam, Johnny Cash, and Tom Petty combined

    Barbra Streisand has sold more records (140 million) than Pearl Jam, Johnny Cash, and Tom Petty combined
  • 10. People actually bought Billy Ray Cyrus' album “Some Gave All…” 20 million people. More than any Bob Marley album

    People actually bought Billy Ray Cyrus' album “Some Gave All...” 20 million people. More than any Bob Marley album
  • 11. The cast of “Glee” has had more songs chart than the Beatles

    The cast of “Glee” has had more songs chart than the Beatles
  • 12. This guy exists.

    This guy exists.
    That is all.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Moira

Porque revi o "X-Men: First Class" e só prestei atenção nas partes da Rose Byrne. 

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Que mania que eles têm

de fazer as listas dos melhores discos do ano em Outubro e Novembro. Não sabem que o B Fachada lança sempre um disco em Dezembro? Abram a pestana. 
Sai na 6ªfeira, não tem nome, mas tem mais um bom punhado de canções de um artista que não se repete mas que nem por isso perde a sua identidade e autenticidade. O disco pode ser escutado aqui

Dez anos depois

Anda tudo louco com a confirmação do regresso dos Radiohead a Portugal. 15 de Julho de 2012, último dia do Optimus Alive. Depois do boss no Rock in Rio e de um cartaz cada vez mais doce no Primavera Sound Porto, os festivais do ano que vem prometem muito pitéu. E ainda há os, sempre melhores, concertos en nome próprio, e aí se é para sonhar alto, eu quero Tom Waits para completar a minha caderneta de cromos "Adoro e já vi ao vivo".

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Estou com um torcicolo...but totally worth it.

Blu é o pseudónimo do street-artist italiano autor da obra acima reproduzida e que se localiza na vila de Prato, na Toscânia. O seu trabalho pode igualmente ser visto em Lisboa, pela Av. Fontes Pereira de Melo a fora, fruto da parceria com os brasileiros Os Gémeos. Estou a falar disto e disto.

SG Forte



Foi bonito, as canções novas funcionaram ao vivo tão bem como no disco, o alinhamento teve alguns pitéus inesperados como "Parto sem dor", "Não respire" ou "Já joguei ao boxe, já toquei bateria", isto para além de composições clássicas de alto calibre como "Etelvina", "Cuidado com as imitações" e "O primeiro dia", e no fim foi mais um belo espectáculo do maior escritor de canções português.
Godinho já não espanta mas nunca, nunca desilude.

Próximo show: Smashing Pumpkins.


quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Também vou.

Amanhã, Sérgio Godinho volta ao Coliseu dos Recreios. Não só para apresentar o novo disco "Mútuo Consentimento" mas também para festejar os 40 anos de carreira. Nesse "Os Sobreviventes" de 1971, encontra-se esta grande canção, que conto ouvir amanhã, entre tantas outras.
A letra, essa é muito adequada aos tempos que vivemos e ainda mais em dia de greve geral.




Vi-te a trabalhar o dia inteiro
Construir as cidades para os outros
Carregar pedras, desperdiçar
Muita força pra pouco dinheiro
Vi-te a trabalhar o dia inteiro
Muita força pra pouco dinheiro

Que força é essa
que força é essa
que trazes nos braços
Que só te serve para obedecer
que só te manda obedecer
Que força é essa, amigo
que força é essa, amigo
Que te põe de bem com outros
e de mal contigo
Que força é essa, amigo
que força é essa, amigo

Não me digas que não me compreendes
Quando os dias se tornam azedos
Não me digas que nunca sentiste
Uma força a crescer-te nos dedos
E uma raiva a nascer-te nos dentes
Não me digas que não me compreendes

Que força é essa
que força é essa
que trazes nos braços
Que só te serve para obedecer
que só te manda obedecer
Que força é essa, amigo
que força é essa, amigo
Que te põe de bem com os outros
e de mal contigo
Que força é essa, amigo
que força é essa, amigo




Sérgio Godinho - "Que força é essa" (1971)

Eu vou.

19 anos depois da estreia no velho Estádio de Alvalade, Bruce Springsteen e a E Street Band tocam no Rock in Rio Lisboa, a 3 de Junho. Boss é boss, estou lá.

Bruce Springsteen - "The Rising" (Hyde Park 2009)

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Thursday // 1997-2011

A banda americana Thursday anunciou o fim da carreira. Deixam 5 álbuns, dos quais "Full Collapse" de 2001 é um marco do post-hardcore e é um disco que pessoalmente me diz muito, está tranquilamente na minha lista dos 50 discos de uma vida. Depois da data no Alive do ano passado que chegou a estar anunciada no myspace da banda mas que não se chegou a concretizar, acabam sem nunca terem tocado em Portugal. Uma pena. 


Thursday - "Understanding In a Car Crash" (2001)

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Princípios e Fins

A começar uma série:


Depois de acabar as 4 seasons de Breaking Bad, que é sem dúvida uma rica série, envolvente e com boas personagens e interpretações, deixando apenas um certo sabor amargo devido a certas partes da trama que são da mais completa implausibilidade, vou agora debruçar-me sobre outra série com bom mercado - leia-se boas críticas. Fringe será, numa comparação muito lata, uma espécie de X-Files - vertente conspiração governamental - para o séc. XXI, digo eu. Na altura quando saiu acompanhei até ao 5º ou 6º episódio mas perdi o comboio e vou agora retomá-lo, de novo da estação de partida. Tendo em conta que só a 1ª temporada tem 20 episódios, devo ter aqui com que me entreter pelo menos até o ano que vem.





A acabar um livro:

Acabei de pousar o último do Adrian Mole, "The Prostrate Years", que não é nada menos que mais um pitéu desta autêntica instituição da literatura contemporânea de cariz humorístico, mas nem por isso light. Muito menos neste, o mais denso de todos, em que Sue Townsend consegue manter o nível a que habituou os leitores, relatando um momento duro (para o Adrian têm sido todos duros desde o 1º livro, ele é um dramático profissional, mas este é duro tipo life-threatening) da vida do narrador - não é spoiler porque é tão óbvio que está no título, Mole vai sofrer de cancro na próstata, entre muitas outras "peripécias" em que ele se mete ou se vê envolvido, mercê do grupo tão sui generis de familiares e amigos que tem. 
A seguir, atiro-me cheio de coragem ao calhamaço de "Freedom" de Jonathan Franzen, que já está em espera há que tempos.


sexta-feira, 18 de novembro de 2011

How are we today?

Daqui, do site de Stanley Donwood, colaborador dos Radiohead que acabaram finalmente de anunciar as primeiras datas europeias para Junho e Julho de 2012. Até agora não há nada por cá mas há datas disponíveis para virem, por exemplo, ao rock in rio ou ao alive. Ou então sozinhos, que é sempre melhor. Vamos aguardar.

Radiohead - "Morning Mr. Magpie" (2011)

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Primeiro grande concerto de 2012


Já está! Confirmado o regresso de miss Leslie Feist. A tour do excelente novo disco "Metals" passa pelos Coliseus de Lisboa e Porto, a 18 e 19 de Março. Bilhetes à venda 6ªfeira. A não perder.

Feist - "The Bad In Each Other" (Later Live with Jools Holland Oct. 2011)




sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Carlinhos Castanho

Gosto muito deste som. E o CD "Chromatic" é todo ele muito bom, com um som variado e cativante.
Os You Can't Win, Charlie Brown são uma das bandas tugas do ano. Quero vê-los ao vivo.

You Can't Win, Charlie Brown - "Until December" (2011)
Bom fim-de-semana.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Sassetti como Elfman, Godinho como Godinho

O novo disco de Sérgio Godinho, "Mútuo Consentimento" foi feito com a colaboração de vários músicos, entre os quais o pianista Bernardo Sassetti que criou a base sonora para a canção "Em Dias Consecutivos", que para mim é a melhor do álbum. Tem claramente um cheirinho a Danny Elfman nas suas OST para o Tim Burton, e tem todo um tom que encaixa mesmo num dia como o de hoje. A letra é mais um grande momento do maior dos cantautores portugueses, um autêntico filme a preto e branco que vemos passando à nossa frente.

Sérgio Godinho (com Bernardo Sassetti) - "Em Dias Consecutivos" (2011)

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Sempre gostei destas coisas

Esta é para ir ver mais do que uma vez. Está patente até Fevereiro no Museu Berardo a exposição "A Arte da Guerra - Propaganda da II Guerra Mundial", com mais de 200 peças originais de propaganda, principalmente cartazes mas também panfletos, filmes e até brinquedos, utilizados entre 1939 e 1945 pelos principais envolvidos no conflito. A entrada, como sempre, é grátis e diz que até há uns em português a gabar os nossos "amigos" ingleses.